A ARQUEOLOGIA DA MENTE

O QUE É ARQUEOLOGIA DA MENTE?

Há uma escola de pensamento que combina fundamentos processuais com o reconhecimento da importância da observação dos fatores cognitivos, é a Arqueologia Cognitiva. Ela trás a alternativa materialista da abordagem funcional-processual que se preocupa com: (1) a integração do simbólico e o, cognitivo com outros aspectos das sociedades antigas e (2) o papel da ideologia como uma força organizacional ativa.
A arqueologia cognitiva vê a "mente" de várias formas. O argumento na arqueologia cognitiva é que podemos observar os pensamentos enquanto mantemos os componentes essenciais da abordagem processual: crenças na objetividade e na prova científica e uma aderênciaa um modelo vagamente sistêmico. Por isso que Colin Renfrew em seu livro - The Archaeology of Religion, diz, que qualquer tentativa de cingir a arqueologia da mente, deve inevitavelmente considerar a abordagem arqueológica, ou seja, para Renfrew, podemos identificar comportamento religioso ou culto no registro arqueológico.

O QUE É SÍMBOLO?

Símbolos são realidades físicas ou sensoriais aos quais os individuos que os utilizam lhes atribuem valores ou significados específicos. Comumente representam ou implicam coisas concretas ou abstratas.
Pessoas, gestos, palavras, ordens, sinais sensoriais, fórmulas mágicas, valores, crenças, poder, solidariedade, sentimentos, cerimonias, hinos, bandeiras, textos sagrados, objetos materias etc., que tenham adquirido significado específico, representante em um contexto cultural, por meios de atos, atitudes e sentimentos, constituem-se símbolos. Os símbolos ou significadospodem ser: a. Arbitrários; b. partilhados e c. Referenciais.
A simbolização permite ao ser humano transmitir seus conhecimentos aprendidos e acumulados durante as diferentes gerações. Eles resguardam os valores considerados básicos para a perpetuação da cultura e da sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ORIGEM DA HOMILÉTICA E DA RETÓRICA

EXEMPLOS DE REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS

PENTATEUCO E HIPÓTESE DOCUMENTÁRIA